segunda-feira, 4 de julho de 2016

COLUNA DE SANTO TITO: REALMENTE EU NÃO ENTENDO A POLÍTICA OU DE POLÍTICA


No jargão popular a gente costuma chamar de inteligencia aquele posicionamento que deve ser tomado por todos que têm em seu objetivo a pretensão de chegar ao podium do templo sagrado de uma prefeitura municipal. No nosso caso os seus atuais ocupantes estão lá. Ou melhor, aqui e lá. Perfeitamente assentados. Seguros de si. Como se diria: voando em céu de brigadeiro. E aqui?!...Claro que aqui estamos todos fazendo papel de bobos com a certeza de que somos espertos, peritos conhecedores, experientes, geniais, brilhantes, talentosos, astuciosos, cada um olhando para o próprio umbigo, pensando apenas em si, nos seus egos. Aquilo que deveria ser o objetivo final de toda essa contenda – o povo em si – que se exploda. O Orelhinha que o diga.

Esta é mais uma oportunidade que o PMDB está perdendo. O cavalo já passou selado uma vez. A primeira foi com Azevedo. A segunda está em aberto. A terceira não haverá. Naturalmente ela já terá dono. Isso porque o PMDB, mesmo com a troca ocorrida na presidência, ainda continua recalcitrante quanto ao seu futuro. São Paulo do Potengi pode estar perdendo uma oportunidade única de mudança no seu destino. O Dotô tem objetivos claros e definidos que sinalizam para o desenvolvimento socioeconômico do município. E quem vier depois terá que acompanhar os projetos que foram traçados. Trilhar pelo mesmo caminho de quem, até um mês atrás, compactuava com uma das administrações mais desastradas desse milênio é de deixar qualquer um perplexo. Lembrando sempre que o momento é agora. Daqui a quatro anos os garotinhos que estão chegando, aliado à renovação que não ocorre dentro PMDB local, deixarão o partido em maus lençóis. Até quando vão continuar apostando nas mesmas raposas? Acordem! Não deixem que esse egocentrismo (conjunto de atitudes ou comportamentos indicando que um indivíduo se refere essencialmente a si mesmo) maléfico tome conta dessas dignidades que deveriam ter o pensamento totalmente voltado para o queixume social.

No sábado, dia dois de julho, aconteceu uma grande reunião na casa do Dotô. Perto de duzentas pessoas representando os mais diversos segmentos da sociedade local tiveram a oportunidade de falar e ouvir o homem que desponta nas pesquisas de opinião. Olha! A Dona Fátima estava lá. Talvez o leitor não saiba quem ela é, mas político sabe. O João Maria da Casa Verde também esteve presente dando a segurança de quem veio para somar de graça, sem nada pedir. Ele é o patrão (como foi largamente difundido) e o vice que toda a sociedade anseia ter. Um homem de palavra, íntegro, seguro, de atitudes firmes. Tem muita gente que foi induzida a pensar que ele entrou na política pelo lado errado. Ledo engano. O PMDB quer maquiar a sua trajetória. Ele não pulou etapas. Ele vinha sendo sondado desde que o Dotô inventou de aceitar o insistente convite da população. E o João sempre se esquivando, porque para um homem da sua estirpe esse é um ambiente altamente nocivo. Mas, manhosamente, o Dotô foi apertando o cerco. No entanto, vendo que o sujeito era meio arisco e para não deixar o cabra fugir convocou uns vaqueiros da sua confiança para lhe dar cobertura na tarefa, até que de repente o encurralou de um jeito que o homem, acuado, perdeu os reflexos e também sucumbiu ao apelo popular. Daí seguiu o rito natural. Foi até ao líder da SUA agremiação partidária expor a situação e saber da possibilidade de liberação da legenda. A resposta, cheia de evasivas, custou, mas chegou, e na forma de uma feijoada em apoio à candidatura do até então vice do atual prefeito. E para quem não sabe procure saber a imagem que o ex-deputado e ex-ministro Henrique Alves tem dele, esse mesmo vice a que nos referimos acima e que o PMDB insiste em defender. Realmente eu não entendo a política ou de política.

Santo Tito: Bancário Aposentado