terça-feira, 28 de junho de 2016

O DOTÔ VERSUS....SÃO PAULO DO POTENGI


Está em curso uma das campanhas políticas mais insalubres de São Paulo do Potengi. Desde o primeiro momento que Dr. Ivan deixou claro que, em caso de vitória, as suas intenções são transformar a administração pública municipal numa espécie de corpo técnico e que só tomaria posse após um tratamento minucioso das contas públicas, essas suas declarações fizeram acender uma luz vermelha especialmente em quem esteve à frente da administração municipal nas últimas gestões, pois não é bem assim que seus adversários pensam (que deveria ser um só em comum). É inimaginável conceber a engenhosidade do que está acontecendo nos porões da política. Loteamento, mudança de critérios, beneficiamentos e até pomar de laranjeiras fazem parte dos predicados mais importantes para a manutenção de apoios.

Na ocasião em que o Dotô foi convidado e aceitou participar de um determinado encontro a dois e foi brindado com uma reunião para a qual não estava preparado, mesmo porque não poderia imaginar que o tal encontro poderia ser transformado num episódio tão maquiavélico, ele tornou-se o alvo preferido dos seus oponentes, exatamente porque ali foi posto à prova o seu comportamento diante de situações reais e inusitadas que o induzisse a tomar atitudes em defesa de sua personalidade. Personalidade esta que é do conhecimento de todos, mas que não desmereceu em nada a confiança do eleitor que o coloca a frente em todas as pesquisas de intenção de voto. E sabem o porquê? Porque ele é transparente, leal, justo, cumpridor, austero, honesto, íntegro, incorruptível. Tem condutas coerentes com seus propósitos. As respostas que se obtém dele hoje são as mesmas de amanhã, depois, depois, depois,... Quem o acompanha reconhece essa característica nele como um traço positivo de sua personalidade. É a segurança de que, num homem de caráter como ele, a palavra é o seu principal passaporte, sua digital, sua assinatura, seu salvo-conduto. Um traço raro nesse meio tão desgastado pela mentira, pelas contradições, pelos conchavos, o que o afasta dos políticos tradicionais.

Ele nunca pensou em ser candidato, mesmo sondado por pessoas ditas influentes dentro do PMDB local e que hoje rejeitam o seu nome como quem foge de cobra. Porém, por obra do destino, foi um egresso dessa referida agremiação partidária quem fez brotar tal desejo no Dotô.

Ele que estava muito tranquilo cuidando da sua família, participante ativo das cavalgadas, tomando a sua cachacinha, aperitivo natural nesses momentos, lá no aconchego sossegado dos seus amigos, deixou tudo de lado, perdeu a intimidade do seu lar para atender um apelo popular que clamava e clama por um nome novo (a dobradinha já dura 24 anos). Agora, vejam só, numa atitude que este colunista consideraria uma sórdida covardia, adversários, que não querem vê-lo no comando da comuna e mesmo depois de sua vida ter sido totalmente transformada pela decisão quase unânime do povo de São Paulo do Potengi, espalham pela cidade que ele pode estar sendo alvo de mais um ataque naquilo que, atualmente, é tido como o objetivo mais importante: sua pré-candidatura, isto é, estão induzindo a população pensar na iminência de um possível impedimento. Mas, como todo o boato que surge nesse meio a gente tem que checá-lo com muito cuidado e discernimento, nesse caso tal informação ou insinuação é carente da verdade, tem apenas como intento tumultuar o processo. Vamos esperançar que, ao invés disso, esse nimbo carregado de veneno se transforme naquele líquido precioso e vá despejar as suas valiosas gotas lá na nascente do Rio Potengi nesse 2016, para regozijo dos habitantes do nosso tão ardilosamente penalizado município.