segunda-feira, 25 de abril de 2016

COISAS!


Da política
Vamos analisar de maneira fria, sem externar paixões, o real quadro político da atualidade potengiense. Levando em consideração a vitória sem precedentes do atual gestor, nesse contexto político ficou simplesmente imprevisível um prognóstico para que se firmasse um a oposição com chances de vitória durante os quatro anos de duração do atual mandato. Porém, alguém de sobreaviso vislumbrou um nome até então relegado ao ostracismo. Sem muito trabalho, no entanto com rara habilidade, esse mestre sugeriu ao eleitor uma proposta nova para o comando do município. Foi como rastilho de pólvora, pois, após 24 anos de mesmice, os responsáveis pelo destino da província estavam esperançosos de que uma nova sugestão emergisse. Mas, tendo em vista o terreno fértil criado pela atual administração para o surgimento de opositores, hoje se multiplicam os nomes com a pretensão de ocupar este espaço. Qual será a finalidade desse interesse repentino? Quais seriam as vantagens que estariam motivando a briga “das oposições”? Porque o real motivo, já provado, de integrante (eu disse integrante no singular) de uma ”das oposições” de querer atribuir ao pré-candidato que vem se destacando na aceitação popular o papel de quem estaria com o secretariado, cargos e empregos, todos já antecipadamente preenchidos, mesmo antes da formulação de coligações, da convenção e de ter definido quem seria o possível vice? Qual pré-candidato se arriscaria a uma sandice dessas? Só mesmo um político brincalhão, que não entende nada de política, e pensa que aqueles que realmente optaram por esse processo cidadão seriam tão idiotas a ponto de agir de maneira tão ingênua.

Da Segurança Pública
Há uns quinze ou vinte dias o bairro Assunção foi vítima de vários furtos de bujões de cozinha. Foram feitos Boletins de Ocorrência na Delegacia de Policia local. Logo em seguida, conforme comentários, pelo menos duas pessoas eram vistas vendendo esses artefatos. Partindo do principio de quem mantém esse objeto em sua residência é para uso próprio, fica bastante estranho quando se sabe que alguém estava logo com dois à venda. Reconhecendo que os responsáveis pela segurança pública não podem deter ninguém sem a devida prova, é sabido que ao menos uma das pessoas que estavam praticando este ato diz-se não ser digna de confiança, induzindo entender que, “conforme jurisprudência e o previsto no Art. 239 do CPP”,... “Devemos nos ater que, a admissão de provas indiciárias é muito sensível no que tange aos preceitos de justiça, portanto, a admissão de provas indiciárias deve ser um passo muito cauteloso por parte do juiz, que na impossibilidade de obtenção de outras provas objetivas e concretas, deverá se ater às provas indiciárias desde que essas estejam harmoniosas e provadas, havendo relação entre si e com o fato em si, e capazes de atingir o convencimento absoluto do juiz”. Simplesmente fica o alerta para quem de direito.

Santo Tito: Bancário Aposentado